Querido entre atletas de alta performance, ciclistas e maratonistas, os géis de carboidratos têm aplicações muito mais interessantes além de um simples fornecedor de combustível para esportes. Proteicos, termogênicos, antioxidantes, para saúde da pele, para imunidade, pré e pós treinos, são algumas das possibilidades desse versátil e pouco explorado suplemento.

Possuindo em geral 100 quilocalorias por porção, os géis podem conter até 75% de carboidratos em sua formulação. Os sabores podem variar de frutas tradicionais, como morango e limão, e exóticas, como pitaya, aos sabores chocolate, baunilha e café. Atualmente, os géis também podem conter condimentos como: pimenta, menta e gengibre, que além de trazerem sabores e sensações diferenciadas, apresentam propriedades funcionais.

Mas a variedade de géis não para apenas nos sabores, abrange também os tipos de carboidratos. Em geral, eles são divididos em monossacarídeos (como glicose e frutose), dissacarídeos (sacarose e isomaltulose) e polissacarídeos (maltodextrina). Integrais ou refinados, de fontes orgânicas ou não, de baixo, médio ou elevado índice glicêmico, permitindo assim uma maior personalização para as necessidades de cada atleta.

As facilidades encontradas nos géis alimentícios, seja para produção, armazenamento, transporte e aplicações, tornam esses produtos uma ruptura da fronteira entre dois nichos: dos atletas de esportes de longa duração e os atletas amadores, frequentadores de academias, praticantes de futebol, beach tênis, lutas, etc. Romper essa barreira parece questão de tempo para o mercado de géis alimentícios. Com os avanços tecnológicos no setor e as tendências do mercado em ressonância, o nicho promete revolucionar o setor nos próximos anos.

O Mercado atual de géis de carboidratos:

O mercado mundial de géis de carboidrato está em crescimento. Atualmente, ele é avaliado em US$627mi e apresenta uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 7,8%. Além disso, estima-se que o mercado de géis atingirá US$ 1 bi até 2027.

Por isso, as empresas que buscam diversificar seu portifólio e expandir seu mercado, devem ficar atentas à essa novidade. Dentre tantas outras, os probióticos, a nutrição holística e os produtos para concentração são campos em crescimento e destaque. Além disso, o foco em Clean Label está entre as principais tendências de mercado para os próximos anos, e é perfeitamente aplicável aos géis. O consumidor de suplementos é atento às tendências, e já espera produtos que variem além dos sabores e tipos de carboidratos, como por exemplo em funcionalidades.

Géis e as tendências de mercado atuais

Portabilidade e Saudabilidade alinhadas.

O volume reduzido por embalagem, o armazenamento em temperatura ambiente, a divisão em doses individuais e o sabor agradável colocam esse suplemento alinhado às demandas criadas pelo modo de vida ocidental. As longas rotinas de trabalho, a vida estressante nas grandes cidades e o tempo cada vez mais curto forçam as pessoas a buscarem praticidade e agilidade, mas sem abrir mão do sabor. Seja consumindo seu suplemento no caminho para a academia após o trabalho, no ônibus, no metrô, enquanto dirige ou até mesmo enfrentando um engarrafamento, o consumidor busca praticidade, saudabilidade e sabor.

A portabilidade dos géis permite seu melhor acondicionamento, sendo dentro dos compartimentos do seu veículo ou da mochila, sem necessidade de refrigeração. Em comparação com pré-treinos ou proteínas (como o whey protein, por exemplo) em pó que necessitam de água e uma coqueteleira para preparo, o que muitas vezes é inviável ou trabalhoso para o consumidor.

Tecnologia e Inovação

Quando o ponto é tecnologia, os géis também trazem inovação. Dentre diversos avanços tecnológicos, a micro e nano encapsulação e micelarização tornam as possibilidades de aplicações para géis quase infinitas. Resumidamente, essas tecnologias são uma forma de empacotar ingredientes e nutrientes em pequenas estruturas que são responsáveis pelo transporte e liberação controlada dos ingredientes. Assim, com essa liberação controlada, é possível garantir que o gel dure mais e aumentar sua biodisponibilidade no organismo.

Por exemplo, graças as tecnologias de encapsulação, óleo de coco (TCM) e vitaminas como a vitamina E podem ser facilmente adicionados em uma formulação à base de água, como um refrigerante, sem que se formem gotas de óleo sobre a água. A curcumina, proveniente da cúrcuma, que apresenta excelentes capacidades antioxidantes, é pouco dissolvida em água e mesmo quando ingerida em capsulas apresenta pequena ação no corpo. Portanto, Tecnologias avançadas de micelarização permitem que a curcumina tenha seus efeitos potencializados no corpo humano.

Ainda outras tecnologias permitem que proteínas, tal qual whey protein, que antes tinham difícil solubilização podem agora ser dissolvidas em água formando bebidas cristalinas expandindo o mercado para além de pós e bebidas leitosas.

Ingredientes e ativos funcionais

Estudos recentes apontam diversos novos ingredientes com funcionalidades comprovadas cientificamente e com aplicações factíveis na tecnologia de produção de géis. Dentre esses novos ingredientes e ativos, alguns tradicionais e bastante conhecidos como cúrcuma, ginseng, gengibre e pimenta enquanto outros extremamente novos como teanina, teacrina e melatonina, podem ser aplicados a géis.

Assim, os avanços tecnológicos trazem para os géis a praticidade atrelada as funcionalidades e colocam os géis em posição destaque no setor de suplementos, avançando para diversos segmentos, como:

  • Pré e pós – treinos para atletas regulares;
  • Proteínas;
  • Fibras;
  • Colágeno;
  • Funcionais;
  • Vitamínicos.

Em um curto prazo de tempo, os géis poderão estar nas mãos de:

  • Gamers, profissionais e estudantes interessados em foco, concentração e energia sem precisar sair da frente das telas;
  • Pessoas interessadas em cuidados com a pele buscando um gel com elevado teor de antioxidantes e colágeno;
  • Praticantes de musculação e treinamentos funcionais que buscam aporte proteico, energia, queima de gordura e recuperação;
  • Praticantes de esportes coletivos que buscam energia, disposição e melhora no desempenho e que consomem suplementos semanalmente pré-atividade.

Composição e Funcionalidades:

Os géis apresentam geralmente em suas formulações monossacarídeos como glicose e frutose, para fornecimento imediato de energia. Ainda podem ser formulados com dissacarídeos, como a isomaltulose (Palatinose®). Esse carboidrato tem baixo índice glicêmico (IG), ou seja, possui liberação controlada de açucares no organismo ao longo da atividade física, permitindo que você tenha mais energia para realiza-las. Carboidratos com baixo IG são interessantes por garantir aporte energético em todas as etapas do exercício físico além de não ocasionar picos de glicemia, evitando liberação excessiva de insulina, e, portanto, reduzem os riscos de desenvolvimento de diabetes tipo 2.

Além dos mono e dissacarídeos, polissacarídeos como a polidextrose e a maltodextrina com médio e baixo IG, respectivamente, permitem atender necessidades diversificadas de cada atleta. Isso porque, variando os teores de cada açúcar presente na formulação, cria-se um produto energético de qualidade superior.

Não somente com carboidratos, os géis estão formulados com cada vez mais ativos funcionais. Entre eles, a cafeína e a taurina são os ativos mais comuns, embora sejam encontradas opções como a vitamina C, vitaminas do complexo B e aminoácidos que auxiliam no metabolismo energético e na recuperação muscular pós treino.

Com isso, os géis atraem atletas de outros nichos, como para quem busca disposição para um treino intenso após o trabalho, esportistas casuais, que buscam superar seus limites e jogadores de final de semana, que buscam melhorar sua performance nas partidas e reduzir as dores pós jogo.

Apesar de já permearem esses outros nichos, o elevado teor de açúcar desse produto se apresenta como uma barreira que afasta potenciais novos consumidores, e portanto, deve ser levado com atenção.

 Desafios para os géis de carboidratos:

Como mencionado acima a adição de novos ingredientes e ativos nas formulações de géis abre caminho para uma nova era no setor. O que possibilita a ampliação do seu mercado consumidor para uma parcela muito maior que os maratonistas. No entanto, alguns obstáculos precisam ser superados, como:

  • Redução do elevado teor de açúcar;
  • Dificuldades em dissolver e aplicar ingredientes nos géis;
  • Estabilidade de formulações sem uso de conservantes, estabilizantes e acidulantes;

Praticantes de atividade física regulares, assim como pessoas preocupadas com a saúde e beleza estão sempre atentas ao teor de açucares e aditivos indesejáveis nos alimentos. As informações de rótulos são cuidadosamente avaliadas por quem busca produtos cada vez mais “limpos” e menos calóricos e que forneçam proteínas, energia e disposição durante e após os treinos.

A redução no teor de açucares nesses géis rompe a barreira dos atletas de esportes de longa duração, permeando pelos atletas amadores e de esportes de duração mais curta. Esse acontecimento criará um terreno fértil para desenvolvimento de produtos extremamente inovadores e disruptivos.

Além disso, géis são comumente estabilizados com conservantes químicos como sorbato de potássio, que é tido como um aditivo com potenciais danos à saúde. A tendência por suplementos “limpos” ou “Clean Label” vai de encontro com o uso desses aditivos, podendo afastar alguns consumidores. Para transpor essas barreiras, algumas soluções promissoras como uso de fibras e conservantes naturais apresentam potencial para transformar o setor.

Soluções emergentes

Para a redução dos elevados teores de açucares nos géis, uma das principais soluções é o uso de fibras. Essa são bem conhecidas por suas propriedades de auxílio no processo digestivo e controle da absorção de lipídeos. Mas as fibras também podem atuar como espessantes e formadores de géis de baixa caloria em comparação com os géis comuns. Podendo ser de origem natural e com aplicações bastante conhecidas em alimentos, as fibras tornam-se uma opção interessante para quem busca saúde e bom funcionamento intestinal, redução de peso e aumento da sensação de saciedade.

Fibras solúveis, como goma xantana, gelana, carragena e arábia apresentam características formadoras de gel e não são digeridas pelo organismo humano, não acarretando ganho calórico. Por reduzir o aporte calórico e a redução no consumo de açúcar, os géis ganham valor dietético e funcional. Isso porque, as fibras formadoras dos géis serão veículos para os demais nutrientes e ingredientes, além de auxiliarem nas funções intestinais. Desta forma, géis com quantidades especificas de certos nutrientes e ingredientes, como proteínas, colágeno, cafeína e taurina poderão ser oferecidos para aqueles seguem dietas low carb.  

Além das fibras solúveis, sementes, como a chia e a linhaça, tem propriedades formadoras de géis quando hidratadas. Dessa maneira, fornecem além da viscosidade, quantidades significativas de nutrientes e compostos benéficos para a saúde. A chia, por exemplo, é rica em fibras solúveis, livre de glúten, possui alto teor de ácidos graxos ômega-3. Além disso, possui polifenóis, tocoferóis, vitaminas e minerais naturalmente presentes na semente. Essas sementes são excelentes para aplicações Clean Label, atraindo consumidores preocupados com alimentação natural.

Dessa forma, as fibras e sementes formadoras de géis atuam como aliadas na redução dos carboidratos totais dos suplementos em gel. Enquanto tecnologias de micro encapsulamento podem ser utilizadas para correta solubilização de ativos que antes eram insolúveis nos géis.

Quando não usar géis de carboidratos?

Embora os géis sejam uma das primeiras escolhas dos atletas de elite, ele apresenta alguns pontos negativos para este grupo. Entre eles está o esvaziamento gástrico mais lento em comparação com bebidas, devido a viscosidade e a presença de fibras. Além disso, os géis possuem uma baixa absorção intestinal de glicose nos atletas de alta performance em exercícios de alta intensidade, enquanto atletas comuns com exercícios de média e baixa intensidade conseguem uma absorção maior.

O que pode ser um ponto negativo para uns, pode ser vantagem para outros. Um esvaziamento gástrico mais lento pode ser interessante para controle de apetite rico em fibras e baixo em calorias. Por outro lado, uma absorção de açúcar mais rápida em intensidades moderadas e baixas de exercício apresenta vantagens por reduzir a chance de desconforto intestinal nesses grupos.

Géis Clean Label: Uma aposta do mercado

Propostas Clean Label de géis já despontam no mercado internacional e nacional. Com soluções interessantes do ponto de vista tecnológico, buscando reduzir o uso de conservantes sintéticos através de diferentes abordagens. Entre elas se destacam o uso de extratos vegetais com propriedades antimicrobianas ou tecnologias de embalagem e esterilização pós envase.

Além de trazer um apelo Clean Label, essas tecnologias também tornam viáveis a aplicação de ativos lipossolúveis em géis. Entregando de maneira garantida substâncias como a Luteína, vitaminas A, D e K e extratos vegetais, aos tecidos humanos.

A Pronutrition desenvolveu uma linha de produção para atender às demandas desse grande mercado em expansão. Pensando sempre em atender nossos pilares de inovação, tecnologia e sustentabilidade, nosso processo é ecofriendly, sem perdas de água e abastecido com energia solar e totalmente inovador entre as indústrias brasileiras. Além disso, nosso time técnico e especializado em géis desenvolveu um portfólio de géis funcionais atendendo às tendências para oferecer com exclusividade aos nossos clientes que buscam agilidade em lançamento de produtos inovadores no mercado. Quer conhecer mais sobre essa linha e inovar no mercado? Fale com a gente!

Fale conosco!