O conceito holístico abre um novo campo no setor de suplementos, visando não somente a saúde e disposição física ou a beleza, mas também performance e relaxamento mentalNesse contexto surgem os Adaptógenos e Nootrópicos, alimentos, ingredientes ou ativos capazes de ajudar na saúde mental.

Segundo dados da Mintel, no relatório Global Consumer Trends, de 2021, dentre as consequências deixadas pela pandemia da COVID-19, uma das principais é uma maior preocupação com a saúde individual. Se em 2020 e 2021 essa tendência se refletia na busca por melhorar a imunidade, em 2022 e para os próximos anos, as preocupações com a saúde física e mental tomam mais relevância.

A busca por produtos que atuem na saúde mental, seja potencializando ou relaxando a mente, adequados às rotinas ocidentais e com efeitos comprovados abre um mercado fascinante para a indústria de suplementos: Os Nootrópicos e Adaptógenos. Neste texto serão discutidas as principais tendências em suplementos para a performance mental, com base na nutrição holística, enquanto relaxamento será pontuado no segundo texto dessa série.

A importância do momento de consumo:

Na nutrição holística não somente o alimento importa, mas também o momento, a ocasião e o ritual de consumo. A maneira como o alimento é preparado, servido e consumido cria as condições necessárias para atingir o efeito desejado. Por isso é tão importante que os produtos lançados para esse segmento adotem o conceito 360.

No ritual tradicional do matcha, por exemplo, alguns utensílios e movimentos específicos são imprescindíveis para o preparo correto da bebida. Usando um chashaku (espátula para transferir o pó) um pouco de matcha é adicionado ao chawan (tigela específica para o chá) seguido de água quente. Com auxílio de um chasen (um batedor de bambu) o matcha e a água são misturados, realizando movimentos em “M”, até gerar espuma. Tradicionalmente, a bebida deve ser ingerida em apenas 3 goles, e no último gole deve-se fazer barulho demonstrando o apreço pela bebida. Esse ritual de consumo, aliado aos nutrientes e ativos, permitem ao consumidor a sensação de bem-estar prometida.

Os focos da nutrição holística:

Se por um lado existem suplementos específicos para emagrecimento, recuperação muscular, hipertrófica, visando o bem-estar e saúde física. Produtos para a saúde mental com funções específicas como energia, foco, concentração, redução de estresse, ansiedade e relaxamento despontam no mercado, atendendo as demandas dos consumidores. A combinação desses suplementos ou até a fusão desses conceitos responderão às tendências de nutrição holística, com foco no bem-estar geral.

Quanto à busca pelo bem-estar mental, dois segmentos podem ser facilmente distinguidos: Performance e Relaxamento Mental. Dessa forma, busca-se produtos focados em momentos específicos do dia, seja no início do dia de trabalho, ávido por energia, concentração e performance cognitiva, ou mesmo após um dia estressante e cansativo, com a necessidade de relaxar, desestressar e limpar a mente.

Os nootrópicos entregam tanto essa especificidade quanto um caráter mais abrangente, atuando em mais de uma categoria ou momento, como a cafeína, que por um lado aumenta o estado de alerta e foco, e por outro reduz efeitos de cansaço mental e físico.

Mas afinal, o que são os nootrópicos e os adaptógenos?

Embora o uso dos adaptógenos date de milhares de anos dentro das medicinas chinesa e ayurvédica, o termo em si surgiu recentemente (1958) para descrever ervas que ajudam o corpo humano a se adaptar a situações de estresse, tanto físico quanto mental. São exemplos desses nutrientes o ginseng, maca,  reish, café e cacau, pois possuem propriedades adaptogênicas. Já os nootrópicos são compostos naturais ou sintéticos capazes de aumentar a performance mental dos indivíduos. Podem atuar por diversas vias e atualmente são cada vez mais procurados e conhecidos como smart drugs (drogas da inteligência), smart food e mood food (alimentos com propriedades de melhorar o humor). É interessante que algumas das plantas e cogumelos apresentados como adaptógenos também são conhecidas por suas propriedades nootrópicas. Assim, além de ajudarem na adaptação à situações de estresse, aumentam a capacidade cognitiva de quem os consome.

Como atuam os adaptógenos e os nootrópicos?

Como mencionado anteriormente, os adaptógenos atuam na adaptação do corpo a situações de estresse. No organismo humano, o cortisol é conhecido como o hormônio do estresse, e é regulado pelo eixo HPA (Hipotálamo-Pituitária-Adrenal), o qual é responsável pelas respostas a estímulos físicos, fisiológicos e psicológicos.

Os adaptógenos podem atuar nesse eixo regulando a liberação de cortisol e, por consequência, aumentando a adaptação do organismo ao estresse. Dessa forma, os adaptógenos se apresentam mais abrangentes, com atuação não-específica, ao desconsiderar a fonte de estresse, atuando na resposta corporal.

Os nootrópicos, por sua vez, apresentam funções específicas e regiões de atuação delimitadas, promovendo aumento da performance cognitiva, funções mentais, memória, criatividade, motivação, foco e atenção. Atuam por diversos mecanismos, seja na circulação sanguínea na região cerebral, melhorando a oxigenação, seja reduzindo inflamações cerebrais, protegendo contra toxinas e agentes oxidantes, mas atuam principalmente na regulação de neurotransmissores.

 Principais nootrópicos para performance cerebral

Nos principais mercados internacionais, seja nos EUA ou Europa um grande número de nootrópicos podem ser encontrados tanto como suplementos quanto como medicamentos. Atualmente, os principais lançamentos contendo claims nootrópicos trazem em suas formulações tanto extratos padronizados, como a L-teanina de folhas chá verde, quanto em sua forma integral como o Cogumelo Juba de Leão, as folhas Ashwagandha dentre outros.

No Brasil, a legislação para suplementos apresenta algumas restrições para os produtos mencionados acima e para grande parte dos nootrópicos existentes no mercado internacional. Uma grande parcela dos nootrópicos são comercializados como fármacos ou medicamentos fitoterápicos, e devem passar por registro na Anvisa.  Muitas vezes, essas substâncias devem ser prescritos por profissionais da saúde. Os compostos permitidos para uso em suplementos no Brasil estão apresentados no anexo II da instrução normativa IN 28 de 2018. Essa lista é atualizada conforme consultas públicas e aprovações de novos aditivos para suplementos alimentares. Dentre os compostos autorizados pela Anvisa, os que apresentam efeito na performance cerebral estão:

  • Fosfatidilserina
  • Tirosina
  • EPA e DHA
  • Creatina
  • Colina
  • Cafeína
  • Chá Verde

Como esses nootrópicos atuam no organismo?

Fosfatidilserina e tirosina são dois aminoácidos presentes nos tecidos que auxiliam nas funções cerebrais, principalmente em neurotransmissores. Estudos mostram que a tirosina apresenta efeitos de aumento da performance cognitiva, embora apenas em situações de elevado estresse e demanda cognitiva. A fosfatidilserina, por sua vez mostrou-se capaz de melhorar a performance cognitiva, a memória de longo e curto prazo, foco e atenção.

Ácidos graxos ômega 3 EPA e DHA apresentam atuação signficativa na saúde cerebral durante toda a vida do ser humano. São importantes na formação do cérebro durante a gestação e primeira infância. Além disso, apresentam propriedades protetoras contra neurodegeneração no envelhecimento reduzindo as perdas cognitivas ocasionadas pelo estresse oxidativo.

A creatina, conhecida dos frequentadores de academia e atletas, apresenta efeitos sobre a saúde cerebral, melhorando a capacidade de processamento em indivíduos sujeitos a estresse como privação do sono ou danos cognitivos relacionados à idade.

Talvez a substância mais consumida para melhorar a performance cognitiva, a cafeína apresenta efeitos na cognição principalmente em situações de privação de sono e estresse. Atua na manutenção do estado de alerta e foco, permitindo a manutenção do estado de atenção por longos períodos.

Como no caso da tirosina e fosfatidilserina, a Colina é um precursor de um neurotransmissor, a acetilcolina. Importantíssima durante a gestação e nos primeiros 1000 dias após o nascimento, uma dosagem elevada de colina pode aumentar a resposta cognitiva na infância. Além disso, em adultos, a suplementação com colina não somente apresentou resultados de aumento da performance cognitiva verbal e visual como também mostrou-se inversamente proporcional a hiperintensidade na substância branca (HSB) um importante marcador de doença de Alzheimer.

Embora a L-teanina não seja autorizada em suplementos no Brasil, sua principal fonte, o chá verde, é autorizado para uso em suplementos. A L-teanina é um aminoácido não essencial presente em diversas espécies de chás, sendo o principal o chá verde. A versão matcha (chá verde moído) possui cerca de 4 vezes o teor de L-teanina do chá verde. Estudos apontam que a l-teanina atua no neurotransmissor GABA, responsável pelo redução na transmissão de informações entre neurônios, causando relaxamento e proporcionando foco e clareza na mente. Além disso, a l-teanina atua na produção de outros dois neurotransmissores conhecidos, a serotonina e dopamina, que promovem a sensação de bem estar e prazer.

Sozinhos ou acompanhados?

Os compostos que atuam nas funções cerebrais são capazes de atuar tanto  individualmente quanto em conjunto. Embora um indivíduo possa perceber um grande efeito causado pelo composto enquanto outro não perceba efeito algum. Isso ocorre uma vez que cada organismo responde de forma única.  Estudos apontam que a combinação de 2 ou mais compostos potencializa os efeitos de bem-estar. Isso ocorre por sinergia entre os compostos ou pelo fato de apresentarem diferentes formas de ação com um mesmo propósito.

No mercado de suplementos, principalmente EUA e Europa, esses nootrópicos geralmente são combinados entre si e com outros compostos com o objetivos de potencializar os efeitos. Isso porque algumas interações apresentam sinergia, como no caso da L-teanina e cafeína, que atuam no aumento do foco e atenção quando administradas juntas em comparação com bebidas apenas com cafeína. Outro exemplo é a combinação de DHA e Fosfatidilserina que apresenta efeitos sinérgicos no melhoramento cognitivo de idosos. O DHA juntamente  a fosfatidilserina, aumenta a proteção dos tecidos nervosos causados por estresse oxidativo. Quer mais ideias? Fale com a gente! Vamos criar algo incrível juntos?

Outro tipo de associação frequente é a dos nootrópicos com triglicerídeos de cadeia média (TCM). Tornando essa combinação uma excelente fonte de energia de fácil metabolização para o cérebro, podendo atuar em conjunto com adaptógenos e nootrópicos na performance cerebral.

Dessa forma, subentende-se que embora os nootrópicos ou adaptógenos atuem sozinhos na performance cerebral, quando associados corretamente podem ter seus efeitos potencializados. Assim, apesar das limitações de uso para suplementos alimentares para performance mental em comparação com outros mercados, um grande número de combinações, dosagens e formulações podem ser estudadas e testadas em diferentes sabores, formatos e propostas, com o objetivo de sempre promover uma nutrição melhor e o atingimento do bem-estar. Antenados a essa tendência e já preparados, nós da Pronutrition já desenvolvemos e temos prontos para lançamento produtos de nutrição holística com nootrípicos. Além de produtos em pó e em cápsulas, temos produtos funcionais em géis que prometem revolucionar o mercado de alimentos saudáveis. Quer saber mais? Entre em contato com a gente.

 

Fonte:
AUGUSTIN, Katrin; KHABBUSH, Aziza; WILLIAMS, Sophie; EATON, Simon; ORFORD, Michael; CROSS, J Helen; HEALES, Simon J R; WALKER, Matthew C; WILLIAMS, Robin S B. Mechanisms of action for the medium-chain triglyceride ketogenic diet in neurological and metabolic disorders. The Lancet Neurology, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 84-93, 1 jan. 2018. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1474442217304088. Acesso em: 30 maio 2022.

GIESBRECHT, T; RYCROFT, J. A.; ROWSON, M. J.; DE BRUIN, E. A. The combination of L-theanine and caffeine improves cognitive performance and increases subjective alertness. National Library of Medicine, [S. l.], p. 1, 13 dez. 2010. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21040626/. Acesso em: 30 maio 2022.

VAKHAPOVA, Veronika; COHEN, Tzafra; RICHTER, Yael; HERZOG, Yael; KAM, Yossi; D KORCZYN, Amos. Phosphatidylserine containing omega-3 Fatty acids may improve memory abilities in nondemented elderly individuals with memory complaints: results from an open-label extension study. Dement Geriatr Cogn Disord, [S. l.], p. 38-45, 20 fev. 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24577097/. Acesso em: 30 maio 2022.

LIU, Shyh-Hwa; CHANG, Chin-Dong; CHEN, Pi-Hang; SU, Jheng-Ren; CHEN, Chih-Cheng; CHAUNG, Hso-Chi. Docosahexaenoic acid and phosphatidylserine supplementations improve antioxidant activities and cognitive functions of the developing brain on pentylenetetrazol-induced seizure model. Brain Res., [S. l.], p. 1, 3 mar. 2012. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22440676/. Acesso em: 30 maio 2022.

HASKELL, Crystal F; KENNEDY, David O; MILNE, Anthea L; WESNES, Keith A; SCHOLEY, Andrew B. The effects of L-theanine, caffeine and their combination on cognition and mood. Biol Psychol, [S. l.], p. 1, 26 set. 2007. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18006208/. Acesso em: 30 maio 2022.

POLY, Coreyann; MASSARO, Joseph M; SESHADRI, Sudha; WOLF, Philip A; CHO, Eunyoung; KRALL, Elizabeth; JACQUES, Paul F; AU, Rhoda. The relation of dietary choline to cognitive performance and white-matter hyperintensity in the Framingham Offspring Cohort. The American Journal of Clinical Nutrition, [S. l.], p. 1, 9 nov. 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3252552/#:~:text=Background%3A%20Choline%20is%20the%20precursor,impaired%20cognitive%20function%20and%20AD. Acesso em: 30 maio 2022.

GOLDSTEIN, Erica R; ZIEGENFUSS, Tim; KALMAN, Doug; KREIDER, Richard; CAMPBELL, Bill; WILBORN, Colin; TAYLOR, Lem; WILLOUGHBY, Darryn; STOUT, Jeff; GRAVES, B Sue; WILDMAN, Robert; IVY, John L; SPANO, Marie; SMITH, Abbie E; ANTONIO, Jose. International society of sports nutrition position stand: caffeine and performance. Goldstein et al. Journal of the International Society of Sports Nutrition, [S. l.], p. 1-15, 9 fev. 2010. Disponível em: https://jissn.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/1550-2783-7-5.pdf. Acesso em: 30 maio 2022.

WALLACE, Taylor C.; BLUSZTAJN, Jan Krzysztof Blusztaj; CAUDILL, Marie A.; KLATT, Kevin C.; NATKER, Elana; ZEISEL, Steven H.; ZELMAN, Kathleen M. Choline. Nutrition Today, [S. l.], p. 1, 13 nov. 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6259877/. Acesso em: 30 maio 2022.

RAWSON, Eric S.; VENEZIA, Andrew C. Use of creatine in the elderly and evidence for effects on cognitive function in young and old. Springer Link, [S. l.], p. 1, 11 mar. 2011. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s00726-011-0855-9. Acesso em: 30 maio 2022.

KARR, Justin E; WINNINGHAM, Robert G; ALEXANDER, Joel E. Omega-3 polyunsaturated fatty acids and cognition throughout the lifespan: a review. Nutritional Neuroscience, [S. l.], p. 1, 1 set. 2011. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22005286/. Acesso em: 30 maio 2022.

GLADE, Michael J; SMITH, Kyl. Phosphatidylserine and the human brain. National Library of Medicine, [S. l.], p. 1, 4 nov. 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25933483/. Acesso em: 1 jun. 2022.

JONGKEES , Bryant J; HOMMEL, Bernhard; KÜHN , Simone; COLZATO, Lorenza S. Effect of tyrosine supplementation on clinical and healthy populations under stress or cognitive demands–A review. National Library of Medicine, [S. l.], p. 1, 25 ago. 2015. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26424423/. Acesso em: 1 jun. 2022.

NOOTROPICS and Adaptogens: What’s the difference?. [S. l.], 11 maio 2022. Disponível em: https://www.planetorganic.com/blogs/articles/differences-between-nootropics-and-adaptogens. Acesso em: 29 maio 2022.

SOONG, Damian. What’s The Difference Between Nootropics and Adaptogens. Form nutriution, [S. l.], p. 1, 21 jan. 2021. Disponível em: https://formnutrition.com/inform/nootropics-and-adaptogens/. Acesso em: 1 jun. 2022.

JULSON, Erica. The 14 Best Nootropics and Smart Drugs Reviewed. Healtline, [S. l.], p. 1, 26 jan. 2022. Disponível em: https://www.healthline.com/nutrition/nootropics. Acesso em: 1 jun. 2022.