Conciliar a vida profissional e pessoal pode gerar pressão psicológica, desencadeando crises de ansiedade e desenvolvimento de síndrome de burnout, por exemplo. Como apontado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a pandemia foi responsável por aumento de 25% na prevalência de ansiedade e depressão, que já apresentava aumento mesmo nos anos anteriores ao período pandêmicos. Além disso, a OMS mostra o baixíssimo investimento dos governos na saúde mental, apenas 2% de todo o orçamento destinado à saúde é usado para tratamentos de saúde mental e apenas 25% de pessoas acometidas com ansiedade e depressão têm acesso ao tratamento adequado.

Para melhor gerenciar o estresse e a ansiedade, algumas alternativas são frequentemente tomadas, dentre elas a prática de exercícios físicos e meditação. Além de adequações alimentares com a inserção de sucos, chás e outros alimentos conhecidos por propriedades calmantes (maracujá, camomila, chocolate). No entanto, com a chegada da modernidade, as proporções dessa busca ultrapassaram as fronteiras das receitas caseiras. Surgem, no mercado de alimentos e suplementos, novas demandas por produtos para relaxamento que atuem em situações mais específicas e com comprovação científica.

QUAIS SUPLEMENTOS AJUDAM NO CONTROLE DO ESTRESSE?

Os adaptógenos são alguns das principais escolhas quando o assunto é o gerenciamento do estresse através da nutrição. Como mencionado no primeiro texto da série , os adaptógenos permitem maior resistência a situações de estresse. Isso porque atuam regulando a formação de marcadores de estresse como o cortisol. 

Em comparação com o mercado brasileiro, os mercados internacionais (Norte americano, europeu e asiático) têm um número muito maior de produtos para gerenciamento de estresse, relaxamento e sono. No entanto, alguns desses ingredientes ainda estão indisponíveis no mercado brasileiro. Por exemplo, produtos contendo ashwaganda (Withania somnifera), açafrão (Crocus sativus L.), Canabidiol (CBD), erva-cidreira (Melissa officinalis), Kava-kava (Piper methysticum), Magnolia (Magnolia officinalis), Amur (Phellodendron amurense) tanto na sua forma natural quanto em extratos padronizados são facilmente encontrados nos mercados internacionais, porém distantes das prateleiras brasileiras.

Atualmente, uma série de ativos e ingredientes, tanto tradicionais quanto inovadores são utilizados em formulações para gerenciamento de estresse, humor, sono, e redução da ansiedade. Alguns deles são citados abaixo.

Ativos:
  • Melatonina
  • Triptofano
  • Vitamina B1, B12
  • Magnésio
Adaptógenos:
  • Cúrcuma
Chás
  • Valeriana
  • Camomila (Matricaria chamomilla)
  • Maracujá (Passiflora edulis)
  • Tulsi (holy basil)
  • Erva-cidreira
  • Capim-limão
  • Hortelã,
  • Chá verde e etc.

COMO ESSES COMPOSTOS AGEM NO CORPO?

A melatonina, conhecida por ser o “hormônio do sono”, foi recentemente liberada para uso em suplementos pela ANVISA e está em grande parte dos suplementos no Brasil. No entanto, a dosagem permitida (0,21mg) é baixa em comparação aos estudos realizados com o ativo (entre 1 e 5mg). Esta limitação demanda a associação da melatonina com outros ativos e ingredientes para potencializar seus efeitos na regulação do sono. 

O triptofano, por sua vez, é o aminoácido precursor tanto da melatonina quanto da serotonina (“hormônio da felicidade”) e pode ser adicionado às formulações de produtos para gerenciamento de sono e estresse. O triptofano é encontrado naturalmente em queijos, castanhas, ovos e ervilhas em quantidades que não ultrapassam 7mg por 100 gramas do alimento.

As vitaminas do complexo B atuam como cofatores na produção de neurotransmissores como os citados acima, e sua suplementação auxilia no alcance do sono melhor e no gerenciamento do estresse

O magnésio atua como antioxidante de origem mineral, atua como cofator em centenas de reações metabólicas com grande variação de atuação. Uma das principais ações neurológicas do magnésio é sua interação com o receptor NMDA (N-metil-D-aspartato) que reduz a ação do sistema glutamatérgico (maior sistema excitatório do sistema nervoso central) e assim auxiliando no relaxamento. Esse mineral pode ser encontrado naturalmente em alimentos como vegetais verde escuros (couve espinafre), feijões, vagens e castanhas. No entanto, a ingestão de magnésio está aquém das recomendações diárias. Estima-se que quase 50% da população dos EUA tem ingestão de magnésio abaixo do recomendado.

Adaptógenos

Como todos os adaptógenos, a cúrcuma atua no reequilíbrio do corpo frente a situações de estresse. A grande quantidade de compostos antioxidantes, como a curcumina, atua em todo o organismo combatendo radicais livres gerados a partir de alguma situação de estresse. Estudos sugerem uma ação antioxidante da curcumina em resposta ao estresse oxidativo relacionado à alimentação seja rica em açúcares ou em gordura e até mesmo à diabetes.

Chás

Talvez os mais conhecidos e utilizados produtos para relaxamento e alívio de estresse, sejam os chás.  Apreciados no mundo todo, eles se encaixam em diversas rotinas e momentos do dia a dia. Seja pela manhã, após as refeições, antes de treinar ou dormir, quente ou gelado, sozinhos ou adicionados a outras bebidas. Os chás de camomila, erva-doce, erva-cidreira e maracujá são alguns dos mais procurados para fins calmantes, embora existam ainda outras opções, conforme citado anteriormente. 

Os compostos fenólicos (flavonoides e catequinas) possuem grande atividade antioxidante e são os principais responsáveis pela ação no sono e relaxamento. Esses compostos são comummente encontrados nos chás. A apigenina, por exemplo, encontrada nas flores de camomila tem a capacidade de ligar-se aos receptores de benzodiazepina. Essa mesma flavona pode se ligar aos receptores GABA  e NMDA aumentando o relaxamento e reduzindo a resposta excitatória, uma vez que geram uma depressão do sistema nervoso central. 

O capim limão (erva-cidreira ou Capim santo) tem quantidades consideráveis de três compostos com propriedades relaxantes, o Mirceno, o Limoneno e o Citral. Enquanto o Limoneno apresenta maior efeito no relaxamento físico, o Mirceno e o Citral apresentam propriedades sedativas e calmantes.

Para a erva Tulsi (ou manjericão santo) os principais componentes responsáveis pelas atividades antiestresse, calmantes e antioxidantes são da família dos triterpenos. Estudos apontam que a ingestão diária de Tulsi apresenta melhora de 30-39% dos sintomas relacionados ao estresse. 

Para a Valeriana, por exemplo, os compostos fenólicos presentes em sua composição atuam de forma similar aos da camomila, ligando-se ao GABA  o que também é observado para a Kava (ou Kava-Kava) que possui principalmente lactonas que também atuam nos receptores GABA. 

Tanto os chás, quanto os adaptógenos e ativos têm seus efeitos calmantes considerados fracos ou moderados. Dessa forma, a combinação desses ingredientes pode fornecer uma melhor sensação de relaxamento e bem-estar.

Os estudos, os testes e o manejo dos ingredientes supracitados fazem parte da nossa rotina, ao desenvolver formulações nos formatos em pó, cápsula e gel, com uma variedade desses ativos. Combinar ativos pensando na potencialização da funcionalidade e atrelar a um formato para um momento de consumo ideal que impulsione a venda, são os desafios que nosso time encara todos os dias. Assim, somos especialistas em apoiar marcas no lançamento de produtos mais assertivos e inovadores.

Quer conhecer um pouco mais? Entre em contato com a gente.

Fale com a gente!